sábado, 12 de janeiro de 2008

Mais uma porrada de discos

Antes da próxima remessa de álbuns de música africana, queria meter aqui uns links antes que eles expirem (tentem começar pelos links do Sendspace), são de alguns dos álbuns que mais ouvi no ano passado, diminuídos dos álbuns de hip hop e dos álbuns de música tuga, esses adiciono-os numa próxima oportunidade. Vou fazer isto alfabeticamente para não ter de escolher outros critérios.


Alice Russell – My Favourite Letters

Esta miúda é perigosa, saída de parte nenhuma, espetou 3 álbuns no mercado, sendo este o primeiro de originais. Precedido por Under the Munka Moon, álbum com as melhores performances de Alice, versões e participações em músicas de outros e seguido de Under the Munka Moon II, álbum de remixes. A Alice costumava alinhar ao lado dos Quantic Soul Orchestra como vocalista, tendo-se destacado e seguido carreira solo. Este álbum é incrível no seu ecletismo, a pessoa fica confusa na hora de lhe rotular para meter na prateleira da loja, tem elementos de gospel, soul, broken beat, electronica, hip hop, enfim, um modernismo ímpar que deve ser consumido com máxima urgência.

1. All Else Can Wait

2. What We Want!

3. Humankind

4. Mean to Me

5. Fly in the Hand

6. To Know This

7. I'm Just Here

8. Munkaroo

9. All Over Now

10. High Up on the Hook

11. Mirror Mirror on the Wolf-'Tell the Story Right'

12. Remember to Forget


Catem o mambo aqui


Alice Smith – For Lovers, Dreamers and Me (Sendspace)

Outra surpresa fornecida pela nossa boa “Radio Nova” aqui em Sarkoland e mais outra Alice. Esta antiga estudante de História, já serviu mesas, cresceu entre Washington e o countryside da Georgia e tem influências desde o go-go até Bon Jovi. Neste disco teve uma mãozinha na escrita de Sia Furler dos Zero 7 (também tenho de meter aqui umas cenas deles) e foi comparada por críticos emocionados à Billie Holiday, Tina Turner, Norah Jones, Jill Scott, Macy Gray, Alicia Keys e Pati Labelle. Mais um álbum sem rótulo, passeia-se muito pelo Soul/R&B mas pegando emprestados alguns elementos mais Rock, bateu muito aqui no kubico, eu e o meu irmão não nos cansamos dele.


1. Dream

2. Woodstock

3. Gary Song

4. New Religion

5. Do I

6. Fake Is The New Real

7. Desert Song

8. Know That I...

9.Secrets

10.Love Endeavor

Catem o mambo aqui


Asa – Asa

Este foi o disco que me bateu mais fundo nos últimos tempos, sinceramente não são raras as vezes que ouvindo algumas faixas deste álbum me emociono ao ponto de ter de conter lágrimas, não me livrando no entanto de ficar com os olhos vermelhões. Com esta revelação piegas não espero que o oiçam procurando as razões de eu chegar tão “baixo”, também consigo lhe consigo ver as características que podem fazer dele um álbum (como todos os outros sem excepção né?) que não vai agradar a toda gente, pelo menos não da mesma maneira. Mas há algo nesta miúda que transcende o raciocínio lógico e encontrar palavras para descrevê-lo poderia revelar-se uma tarefa precipitada e vã, vou ficar-me pela explicação que me acalma o espírito, que tudo se deve à sua energia e convicção ingénua transportadas no timbre choroso da sua voz, em como podemos mudar o mundo se nos esforçarmos. Asa (lê-se ASHA, significa “falcão”) nasceu em França de pais imigrantes e foi muito novinha para a Nigéria onde cresceu. Gosto particularmente das canções em Yoruba, mas como não percebo as letras, chamo a vossa atenção para as letras de Jailer, Fire on the Mountain, No One Knows e para o inesperado groove afrobeat no So Beautiful.

Imaginem que gozavam com ela no coro da igreja, diziam que nunca iria cantar bem... epá, julguem vocês próprios.


1.Jailer

2.360

3.Bibanke

4.Subway

5.Fire On The Mountain

6.Eye Adaba

7.No One Knows

8.Awe

9.Peace

10.So Beautiful


Catem o mambo aqui


Buika – Mi Niña Lola

Esta dama, foi a Romi dos Terrakota que me falou nela primeiro, num dia em que fomos à já extinta emissão “Fala da Tribo” (comé kota Ana? Kota A.Sérgio? Tá bater?), ela, com um pouco daquele instinto que todos temos de partilhar com os outros o que gostamos, passou-me os fones do seu leitor mp3, mostrou-me um dread muito marado do spoken word chamado Paradox e depois, um som ou dois da (Concha) Buika. Eu curti bwé, mas na altura não avariei, foi depois ouvindo com mais calma que comecei a tremer com Mi Niña Lola, a miúda tem muito sentimento no som dela. Meu balanço preferido é para já sem sombra de dúvida o “Triunfo”.

1.Mi Nina Lola

2.Ojos Verdes

3.Te Camelo

4.Ay De Mi Primavera

5.A Mi Manera

6.Nostalgias

7.Triunfo

8.Buleria Alegre

9.Love

10.Loca

11.Jodida Pero Contenta


Catem o mambo aqui


Fat Freddy's Drop – Based on a True Story

Um amigo Kiwi que fiz na Croácia mandou-me 5 cd's com música do país dele, eu fui ouvindo a meu ritmo. Uma amiga alemã:sul-africana/tuga mandou-me uma faixa chamada Hope de um grupo com um nome caricato, Fat Freddy's Drop, foi amor à primeira escuta (obrigado Nadja). O nome soou-me familiar e quando ela me disse que eram da Nova Zelândia, fui a correr verificar os meus cd's e lá estava ele, um dos dois que ainda não tinha escutado, coisa que me apressei a fazer, obrigando logo a seguir o meu irmão a fazer o mesmo. O resto é história.
Grupo de Dub/Reggae/Soul com muito groove, formado por amigos que tendo os seus projectos à parte, se juntavam para tocar live juntos em longuíssimas sessões de improvisação, o que dificultou a adaptação ao formato estúdio/LP, tendo o disco levado um ano e meio a ser produzido, mas cum caraças, é uma puta dum discão!!! Prova também que, pode levar mais tempo, mas um bom disco dispensa avultadas despesas em marketing, a qualidade da música trabalha sozinha. Obrigatório aí nas colecções ipodianas, apressem-se a carregar no botão.

1.Ernie

2.Cay's Crays

3.This Room

4.Ray Ray

5.Dark Days

6.Flashback

7.Roady

8.Wandering Eye

9.Del Fuego

10.Hope


Catem o mambo aqui


K'naan – The Dusty Foot Philosopher (Sendspace)

O Valete deu-me a dika deste gajo: “tu que curtes cenas mais alternativas, és capaz de gostar disso”. Com efeito, apertei play, tive aquela reacção inicial à algo que me é estranho, sobretudo porque as rimas estavam um coxe descompassadas com bases mais que raras, mas bastou chegar ao som 3 que eu me passei logo com o refrão: “So what's hardcore, really? Are you hardcore? Hmmmmm...”. Pronto, apartir daí foi só meter as mãos na cabeça e ir pesquisar sobre o sujeito-homi e c'um caraças, o gajo é lixado, a História dele merece pesquisa. O pai, poeta somali, fugiu da guerra exilando-se nos states, onde acabou por fazer “tarifa” com os popularizadíssimos yellow cabs e depois, como todo o emigrante africano, mandava para casa uma porção dos seus dividendos e para o filho K'naan, álbuns de Hip Hop consciente. Mais tarde o próprio K'naan, haveria de partir, acabando por fixar residência no Canadá onde até hoje reside, não falando à sua chegada, uma única palavra de inglês. Oito anos mais tarde, um amigo consegue que ele faça uma performance num evento organizado pela ONU, na qual estaria presente o então Alto Comissário para os Refugiados desta organização (cargo hoje ocupado pelo Guterres) e onde ele vai, em formato spoken word, criticar a acção e falta de eficácia da ONU na resolução do conflito no seu país Natal. Youssou N'dour 'tava lá e convidou logo o puto para participar no Building Bridges e assim tem início a grande aventura para o K´naan. Vejam só o site dele, é quase um e-book, com uma preocupação muito grande em apresentar um pedaço grande da História de África para situar o ouvinte no seu contexto social. Sem dúvida uma das melhores descobertas que fiz nos últimos tempos (até ao bonus track, Blues for the Horn, não percam pitada).

1. Wash It Down

2. Soobax - K'Naan

3. What's Hardcore?

4. My Old Home

5. Moment

6. I Was Stabbed by Satan

7. My God - K'Naan

8. Smile

9. If Rap Gets Jealous

10. Dusty Foot Philosopher

11. Strugglin'

12. In the Beginning

13. Hoobaale - K'Naan

14. African Way

15. Voices in My Head

16. Boxing My Shadow

17. For Mohamoud (Soviet)

18. Until the Lion Learns to Speak


Catem o mambo aqui


MIG – Dhikrayat e Yamatna

Foi o meu irmão que me pôs a ouvir o Dhikrayat na nossa viagem de estrada St. Etienne/Montpellier quando estávamos a mudar de casa. Desde o primeiro minuto fiquei agarrado, adoro a sonoridade trip hop e fui hipnotizado pela voz doce de Djazia, pelos temas cantados com profundidade, pela versão de Concrete Jungle, pela riqueza na mestiçagem do seu som que me proporcionaram os 81m24s mais agradáveis desse longo trajecto. Yamatna, o segundo de originais, apareceu no finalzinho de 2006 e criou-me sérias dificuldades na eleição de um preferido, então resolvi atirar os dois.


1.Sad Society Song

2.Au Nord De Mon Enfance

3.H'Djendjell

4.Concrete Jungle

5.Down

6.Badaboom

7.Antipodes

8.Leaving Beth

9.Bright Ball

10.Dhikrayat

11.My Town

12.M'Nama

13.M'Nama Dub

14.Takaré

15.Let Me

16.Mmani

17.Secret Song

18.S.S.S.

19.Everybody Here Wants You

20.Sweat

21.Wild Djazz


Catem o mambo aqui


1. Mother river

2. Butterfly

3. Escale

4. The hunter

5. Street zone

6. Yamatna

7. Wild me

8. Everybody here wants you

9. Grain d'âme

10. Nirane

11. Doll

12. Smoke of lies

13.Alf Lila

Catem o mambo aqui

10 comentários:

antoniajmc disse...

EXCELENTE!!!
muito obrigada pela contribuição!

Antonia

Anônimo disse...

Alice Smith – For Lovers, Dreamers and Me ,não se consegue "catar".
Excelente seleção musical.Obrigadão
JPL

Konanga disse...

Uma dica engracada sobre o Fat Freddys, provavelmente conheces a historia dos macacos q em ilhas diferentes e completamente disconectadas descobriram simultaneamente que tinham q descascar mandioca antes de comer para n apanhar diarreia. Alias, um macaco descobrio e logo a seguir na outra ilha outro macaco comecou a fazer a mm merda...ha uma teoria (q n me lembro do nome agora mas muito comentada por um amigo) q diz q na mm especie uma descoberta leva noutro lugar distinto a fazer a mm coisa. Mas pronto, cortando a historia, eu ouvi esse album e mostrei ao brotto q ficou logo fa (e dai n parar de ouvir a mm musica over and over ate me cansar), e qd te ia mostrar tb disseste q tinhas acabo de descobrir (dai a coneccao com os macacos). Muitooo forte, ainda ontem dps de muitoooo tempo voltei a ouvir (engracado...cheio de paranormal things) e hj vejo aqui denovo. Eh uma vibe mt fixe q mexe logo com o teu estado de espirito...daquelas ketas.

ikono disse...

E um prazer pessoal....partilhar aquilo que me enriqueceu a alma, eu meto ai na esperança que tenha para alguns de voces o mesmo impacto que teve em mim.

JPL... continuas a nao conseguir catar a ALICE??

Anônimo disse...

Sorry, the file you requested is not available.

JPL

Obrigado,e vou tentando.

ikono disse...

JPL ja deve dar agora, tenta la
abraço ai

Anônimo disse...

Já deu....um obrigadão.

e valeu ...Abraço

JPL

P.a.t.a.n.i.z.c.a. disse...

Mais que bom...

Para além da musica, quero agradecer mesmo é os teus comentários que compensa vir cá só para os ler!!

Obrigada pelas viagens!

Anônimo disse...

Oi pessoa muitos mambos fixes aqui, adorei o blog, mas queria que voltassem a ativar o mambo dos Kafala brother´s me lembram a minha adolescencia na banda. Abraços
Nuno Barroso

Anônimo disse...

hola ...
link is kill. re-up pleaseee