quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Adele


Nada a declarar...





Curtam!!!

domingo, 28 de setembro de 2008

John Legend


John Legend Live From Philly

Bem Bom!!

Curtam!!!






O video é do album que em principio sera lançado ainda este ano. Não é bom nem mau, apenas diferente...

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Ausência Prolongada

Pessoal, durante uns bons meses eu vou ficar impossibilitado de postar álbuns aqui. Vou estar de viagem pelo berço da humanidade e não tenho data de regresso. Espero que o blog continue vivo com os contributos do Nguimbola e da Kalani. Estamos juntos povos, até breve!

Rádio Fazuma

Os últimos anos da minha vida foram incomensuravelmente marcados pela aparição, desenvolvimento e presença desses manos, tendo-se os nossos caminhos cruzado por uma sequência feliz de circunstâncias e desde então progredido harmoniosamente em linhas tangentes. Ao primeiro contacto com o mano Toni me dei conta que estava em frente a alguém muito especial, a honestidade no olhar, a franqueza no falar, a intensidade de quem se recusa abandonar os seus princípios elementares e o cansaço de quem passou os últimos anos a travar a locomotiva social de todos os que lhe circundam e que fazem pressão para que se junte ao clube dos "desistentes", dos "conformados". Nasceu nesse dia e hora uma cumplicidade que só se tem vindo a consolidar cada vez mais a um ritmo que aumenta em progressão geométrica. Desde então temos feito tantas coisas juntos que já quase lhes perdi a conta. Desde coisas leves, tipo uma participação no programa com um alter-ego adequado, a coisas muito mais dispendiosas a nível da dedicação intensa que requerem, sendo os exemplos mais concretos o mambo tipo documentário que fizemos juntos (e com mais uma malta porreira) e que está a sair em breve, "É Dreda Ser Angolano" e a nossa excursão ao Sambila. Acho que já passámos pelo suficiente para que possa considerá-lo um mano, daqueles que furaram o círculo muito restrito de pessoas por quem sinto um apreço inqualificável, é família!
A Rádio Fazuma tem um espaço na Ant3na e aqui podem escutar algumas das emissões deles mais recentes.
Aqui vos deixo algumas das cenas em que os manos fizeram, ou estiveram envolvidos, ou ainda escaparam estar mas à última da hora não ficaram.

Para saberem mais sobre a fazuma visitem o site da família


Vários Artistas - Copa Reggae

Compilação que saíu no âmbito da copa do mundo da Alemanha, onde pela primeira vez Angola participou ao lado de Portugal e do Brasil como representantes da lusofonia. É uma celebração composta por uma mistela de sonoros de artistas oriundos desses 3 países. Tem muito som catita.
01 O pontapé de saída!!!
02 Mercado Negro - Aquecimento global
03 Freddy Locks - Wake up
04 Nel Assassin - It’s a complow (remix)
05 Prince Wadada - Aldeia
06 Planta e Raíz - De cara pro mundo
07 Djambi - Lenha
08 Primitive Reason - Had I the courage
09 Sativa - 54-46
10 Chimarruts - O Sol
11 Contratempos - Devagar
12 Arsha - Wicked Reggae
13 One Sun Tribe - Liberation
14 Montecara - Lost culture
15 One Love Family - África Chora
16 Moa Anbesa - Nossa corrida
17 Philharmonic Weed - Quitanda das Embambas
18 Regra 4 - Maracutaia na cabeça (remix)
19 O apito!!!
20 Cartell 70 - Joga Man


Catem o mambo aqui


Vários Artistas - É Dreda Ser Angolano

Compilação enrolada as tantas da matina na casa do Toni, com mp3 de qualidade sonora ainda mais duvidosa do que o formato possa sugerir, muito à pressa porque queríamos ter isso pronto para dali há um mês e tinha de dar entrada imediata na fábrica. Tentámos fazer um enhanced e meter o clip dos Turbantes, mas alguma coisa correu mal (não sai sempre quando fazemos as coisas as 3 pancadas?) e acabou por ficar só assim. Conseguimos ter os cd's prontos para a data que queríamos e distribuímos metade da tiragem gratuitamente depois do nosso concerto (Conjunto Ngonguenha) no Africa Festival no dia 07/07/07. Contrariamente a qualquer intenção que pudessemos ter (e quem tem uma cópia do cd poderá confirmar isso), a compilação fez um fuzuim absurdo ao ponto de ser considerado um dos melhores discos feitos na tuga em 2007 pelo Blitz (como diz o mô dred: "atestado de estupidez"). Os mais atentos dentre vocês hão de dar conta que fizemos pouco mais do que pegar uma ou duas faixas de cada um dos discos que já vos disponibilizámos aqui no blog há uns meses. A compilação serve também de banda sonora para o mambo tipo documentário. Em baixo segue o vídeo que devia ter constado do cd.
01 Conductor – Kandongueiro
02 Keita Mayanda com MCK – Jimona Dya Ixi
03 Phay Grand – Pão Burro
04 Conjunto Ngonguenha - É Dreda Ser Angolano
05 MCK – Atrás Do Prejuízo
06 Coca O FSM – Angolywood
07 Leonardo Wawuti – Quem Te Mandou
08 Keita Mayanda – Musica Pro Sol Que Nasce
09 Conductor – Nós E Vocês
10 Ikonoklasta – A Nossa Costelinha Nómada
11 Das Primeiro – Liberdade
12 MCK – O Silêncio Também Fala
13 Ikonoklasta – Patentes Que Falam
14 Os Turbantes – De Faia


Catem o mambo aqui


Gumalaka

A Gumalaka é uma editora formada pela Matarroa e pela Rádio Fazuma, na qual dois melómanos e malucos se juntam para dar apoio a bandas que têm talento prá caralho e reconhecimento nem por um canudo. A sonoridade muito próxima com a que a Rádio Fazuma acarinha na sua linha editorial. O primeiro mambo editado foi um 7'' do Bezegol (Fire/Plant), sendo que, dos três álbuns que se seguem o do Bezegol é justamente o único que não saíu com o selo Gumalaka.

Terrakota - Oba Train (post antigo)

Freddy Locks - Bring up the Feeling

01 Bring Up The Feeling
02 Fazuma
03 Wake Up
04 Calling
05 Power
06 Take My Hand
07 Rasta Truth
08 Wisdom
09 Kuff’n Beat
10 Bring Up The Feeling (acústico)


Catem o mambo aqui


Bezegol - Rude Bwoy Stand
Mô dreda. Esse é o próprio wí, álbum dele me bonda!

01 Rude Bwoy Stand
02 Clockworkbomb
03 Fire
04 Plant
05 Roots Of Evil
06 Lighting
07 Let Them Know!
08 Nature (Do You Ear What I Say?)
09 Forever Love
10 Colision
11 After This
12 Inhanha
13 Coalition
14 Rude Bwoy Down
15 Drástico



Catem o mambo aqui

terça-feira, 19 de agosto de 2008

Jimmy Dludlu


Um dos frequentadores do blog pediu sons deste kota. Eu admito que não o conhecia e que imediatamente me pus a tentar descobrir música dele. Não é nada fácil. O meu amigo emule só encontrou as faixas soltas que aqui disponibilizo. Não é de meu apanágio meter sons soltos aqui, gosto de postar álbuns inteiros mas, já que não encontro e porque fui absolutamente conquistado por esse moçamba ex-emigrante na África do Sul (mais um, queria meter-vos aqui outros gajos muito fortes que atendem pelo nome de 340ml, mas acho que não vai ser para tão breve). Parece que ele agora voltou para Moçambique e lecciona música na Universidade Eduardo Mondlane. O kota é bicho mesmo. Obrigado pela dika mano Rooka.

Catem o mambo aqui

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Paulo Flores e Stevie...companheiros de viagem

A semana passada fui passar uns dias ao Algarve e só levei dois cd's para me ajudarem pelos 250 km de calor (nada de ar colingue, tentando manter a pegada ambiental o mais pequena possível), na monótona A2, o "Recompasso" do Paulo Flores e o "In Square Circle" da lenda viva Stevie Wonder. Discos díspares, de décadas, sonoridades e impactos diferentes, mas soberbos cada um a sua maneira.

Paulo Flores - Recompasso

O Paulo Flores é aquela coisa, aquele artista que se construiu ano após ano, expandindo as fronteiras da sua música à medida que ia ganhando idade, incorporando novos sabores, novos temperos aos seus cozinhados sonoros, juntando culturas essencialmente africanas e outras que de África saíram para se irem enraizar e desenvolver noutras paragens, como o Samba (neto do Semba) ou o Reggae. Sempre gostei do Paulo Flores, mas a medida que os anos passam vou gostando mais e mais. Este disco é um clássico, com colaborações de grandes mangas tipo Jacques Morelembaum (pai duma dama cujo álbum já meti aí), Tito Paris e artistas da geração seguinte como Lura e Sara Tavares. É um deleite e altamente aconselhável para kotas e canukos.

01• Anos depois
02• Menino destino
03• Poema do semba
04• É sô ma bô
05• Zé Inácio
06• Canto à solta
07• Olhos luz
08• The world of love
09• N'zambi n'zambi
10• Isua ioso
11• Clarice
12• Angola que canta

(Só encontrei este vídeo em relação com o disco)

Catem o mambo aqui

Stevie Wonder - In Square Circle

Há uns meses um amigo meu foi ver o concerto dos Radiohead e quando me viu todo excitado com vontade de me juntar a ele, logo me acalmou informando-me que os bilhetes estavam já esgotados (3 semanas antes do concerto). Quando ele me disse o preço do bilhete eu pensei: "nem que não estivessem, por esse preço nem para ver deus em cuecas a fazer o pino". 60 € custava a dika.... 60!!! Tentei com muito custo fazer um exercício mental para procurar no meu repertório musical um artista/banda que me fizessem dar de bom grado tal soma por um concerto, mas não fui bem sucedido, nem eu nem o meu irmão que também desconseguia de encontrar tal ser que nos embeveça ao ponto de torrarmos essa soma por uma hora e meia de orgasmo acústico. Não encontramos nem no reino dos mortos. Mas no outro dia ouvindo pela 10000000000ésima vez este disco do Stevie Wonder me dei conta que havendo alguém, esse alguém seria ele. Pagaria se calhar mais para ver um concerto deste monumento que ainda respira, o Stevie é um mito, um artista por quem nutro resmas de admiração desde os meus tenrinhos 8 anos quando me meti atrás do sofá a chorar depois da minha mãe me dizer que ele "nunca tinha visto". Seria todo esse talento uma recompensa pela falta dessa faculdade sem a qual não me conseguia imaginar viver? In Square Circle foi, por uma razão ou por outra, o disco com o qual mais engracei dele, mas aconselho vivamente TODOS os outros (mais de 20). Senhoras e senhores, o virtuoso STEVIE WONDER.

01• Part Time Lover
02• I Love You Too Much
03• Whereabouts
04• Stranger On The Shore Of Love
05• Never In Your Sun
06• Spiritual Walkers
07• Land Of La La
08• Go Home
09• Overjoyed
10• It's Wrong (Apartheid)

Catem o mambo aqui

terça-feira, 29 de julho de 2008

Totó - Vida das Coisas

Depois de Tété, Totó, do Senegal a Angola.
O Totó começou a dar nas vistas há uns anos, tocando em eventos culturais pequenos (tipo "Artes ao vivo" onde também se fez notar o Shunnoz). As suas letras divertiam toda a gente o suficiente para criar aquele murmurinho que levanta a curiosidade e que se transforma em avalanche ensurdecedora de mito/lenda urbana e que tem como desfecho mais natural a gravação de um cd.
O Totó será talvez (para mim) o maior paradoxo da música contemporânea angolana, um total destruidor de estereótipos, ou se calhar, apenas a excepção que confirma a regra. Olhando-se para ele, parece um rapper ordinário, daqueles que grifam à MC e curtem girar com MCs mas que depois não dão uma p'ra caixa, os chamados "wack mc's". Se tivermos em atenção as participações nos trabalhos de outros artistas, ninguém nos pode confundir mais do que o Totó pois, ao mesmo tempo que tem colaborações com gajos mauusss da nossa praça tipo Matias Damásio, faz também muitos coros malaikos com rappers de quinta categoria, parece pouco criterioso e acaba por fazer coisas bwé banais. Mas aqui no disco dele a história é outra. Este é um dos discos que me deu mais prazer ouvir nos últimos anos, arrisco mesmo a dizer que um dos melhores da música jovem angolana, ou da música angolana só. Extremamente inovador nas suas composições e interpretações, o Totó tem aquela capacidade ja quase extinta de nos fazer dar gargalhadas a um dado momento e arrependermo-nos disso no instante seguinte (logo no som de abertura), as suas narrativas são muito vívidas, intensas e ... bwéeee mwangolés, ao contrário de uns e outros que criam universos de fantasia e emulam a vida e a música dos ídolos americanos/brazukas/tugas que lhes influenciaram. Totó não se contenta com a simples e fácil cançonete de amor e quando o faz falha miseravelmente, caíndo exactamente no estereótipo de tantos R Kellys que cirandam por aí. Felizmente esses momentos menos brilhantes no disco estão em franca minoria e não são suficientes para manchar irrecuperavelmente a fantástica impressão que ele criou em mim com "Que fim-de-semana", "Abra a Porta","Este não é Marido", "Eu Vou" (mwangolê aqui chora) e outras. Para mim, ele é quase como um MCK do R&B/Soul/o-que-lhe-quiserem-chamar angolano e das coisas que mais gostei de receber este ano (obg Nguimbola).
01 - Que Fim-de-semana
02 - Abra a Porta
03 - Este Não é Marido
04 - Eu Vou
05 - Histórias da Vida
06 - Meu Sonho
07 - Saudades
08 - Estou Seguro
09 - Ame Ndukussole
10 - As Portas se Abrirão
11 - Amor não Correspondido
12 - Calma

O único mambo que encontrei dele no youtube é uma remix do DJ Buda de um som inédito chamado "Menina Perdida".

Catem o mambo aqui

Tété - Um papoite especial

Este é o próprio personagem. Bem estabelecido em França, altamente estranho para o resto do mundo, mesmo se os 3 álbuns que aqui partilho convosco sejam de uma musicalidade lindíssima, com todos os pequenos defeitos que tornam a coisa mais perfeita: não é um grande cantor se usarmos como critério a capacidade em saltitar de nota em nota, não tem uma voz de derreter gelados no inverno, mas consegue encantar com o seu canto sentido, é PURO. Foi o meu puto que mo mostrou pela primeira vez e eu curti logo de primeira e garanto-vos que não é necessário entender o que ele diz, porque mesmo os (poucos) franceses que eu conhecia e que gostavam dele não percebiam porra nenhuma dos textos.
Nascido em Dakar, Tété ("O guia" em wolof, sua língua mãe) vai para França com dois anos, aos nove entra numa escola de música mas fica só um ano. Com 16 parte a perna e tendo que pausar quieto uns tempos, experimentou a guitarra para passar o tempo... granda estrilho, vejam lá no que deu. Inspirando-se em Dylan, Hendrix, Marley e outros grandes, o puto começa a criar as suas próprias composições.
Mas a grande revelação e o ponto de reviravolta na vida de Tété é quando ele escuta a música do seu contemporâneo, Keziah Jones (outro que me foi apresentado pelo meu puto) e, mesmo com um diploma no bolso, Tété decide errar nas ruas e bares de Nancy com a sua guitarra, vagabundagem voluntária (tal qual o Keziah). Depois do teste piloto, ele segue para Paris, onde as oportunidades abundam e faz a mesma coisa... o resto é história.


Tété - L'Air de Rien (o meu preferido)

1. Le Meilleur Des Mondes
2. Passage Brady
3. Love Love Love
4. Me Ressourcer
5. Le Magicien
6. Dodeline
7. Le Bonheur
8. Cousin Willy
9. L' Air De Rien
10. L' Abominable Hyde
11. Honni Soit
12. Les Envies
13. Aisé
14. Eleanor Rigby

(Clip biznado do Bob Dylan, não é uma das melhores músicas do disco)

Catem o mambo aqui


Tété - A la faveur de L'Automne

1. A La Faveur De L'Automne
2. Emma Stanton
3. Le Songe De Marie
4. La Ballade De Oogie Tsuggie
5. Les Matins De Peu
6. Montréal
7. Ton Absence
8. Le Retour D'Ootsie-Putsie
9. Une Bonne Paire De Claques
10. Je L'Appelle De Mes Voeux
11. La Pudeur
12. La Tchave
13. Inspiration Et Circonstances
14. Le Long De La Grève
15. Routine
16. Ces Grands Moments De Solitude
17. Flou

Catem o mambo aqui


Tété - Le Sacré des Lemmings et Autres Contes de la Lisière

1. L'Aube Des Lemmings
2. Fils De Cham
3. Anna Lee Soleil
4. Madeleine Bas-De-Laine
5. La Relance
6. Comme Feuillets Au Vent
7. Caroline Oh Yeah Hey !
8. A La Vie A La Mort
9. Le Sacre Des Lemmings
10. A Flanc De Certitudes
11. Mon Trésor
12. Par Monts Et Vallons (Le Long De La Route)
13. Les Visages Et Les Moments
14. La Croisée Des Chemins
15. Le Crépuscule Des Lemmings

Catem o mambo aqui

sábado, 26 de julho de 2008

Jay Electronica - Style Wars EP (2007)

Muito pouco a dizer e muito muito boa música pra se ouvir... Esse madié tá simplesmente no top do game... hehehehehe

Tracklist:
1 Renaissance Man Prod. By J-Dilla
2 So What You Sayin Prod. By J- Dilla
3 Bitches And Drugs Prod. By J-Dilla
4 Dimthyltriptamine Prod. By J-Dilla
5 Be Easy
6 My World (Nas Salute)
7 Get Em' Prod. By Mr. Porter Feat. Guilty Simpson And Mr.Porter
8 My Uzi Weighs A Ton Prod. By Thom Yorke
9 Victory Is In My Clutches
10 Hard To Get Prod. By And Feat. Mr. Porter
11 Somethin To Hold On To Prod. By Nottz
12 I Feel Good

9th Wonder & Murs - Sweet Lord [2008]

9th Wonder & Murs disponibilizaram este EP gratuitamente... Vale a pena... Ainda mais sendo de borla...

Tracklist:
1. The Intro
2. Are You Ready?
3. Nina Ross
4. Free
5. And I Love It
6. Pusshhhhhh
7. It’s For Real
8. Marry Me
9. Love the Way
10. Mursinatra

Taquí o mambo
Taquí outro mambo
Taquí mais outro mambo

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Rayman C - Aura 1970


Nos últimos anos apareceram uns ndengues produtores com alto nível aí no circuito português. Ndengues que começavam a ter os dedos a picar e não podiam mais esperar que um golpe de sorte os trouxesse um dos muitos"cabecilhas" do "movimento" à casa para ouvir a panóplia de instrus que já tinham e que acabassem por levar um ou outro e decidissem usá-los nos seus discos, que passariam então a introduzi-los no circuito "duro". Esses putos acabaram por dar conta que havia outro circuito mais "esponjoso" e muito mais abrangente, onde poderiam disponibilizar o seu talento progressivamente sem se preocuparem se vai chegar aos ouvidos do Tim Maia ou do Trio Mocotó. Esse circuito é o da vasta rede acessível em um ou dois clicks, a internet. Todos esses miúdos têm um myspace, alguns têm sites particulares e QUASE todos já têm álbuns de instrumentais para download gratuito. Assim pude tomar contacto com variadíssimos produtores com bwé de talento e penso aqui no Darksunn, no Raze, no Mek0, no Kooltuga, TH, entre outros... há mesmo bwéeee.
Assim, depois do álbum do El Mago há umas semanas atrás, vos apresento outro produtor que evoluiu prá caralho nos anos recentes, Rayman C. O puto passou do "Ilusão" no álbum do Scratch (um instru que curto muito), a um monte de instrumentais altamente copiados no 9th Wonder e que lhe mereceram SEMPRE duras críticas e consequente desligar de ficha da minha parte, chegando finalmente à mais esta estação, Aura 1970, o seu primeiro álbum de instrumentais. As influências do 9th Wonder ainda estão muito patentes, mas sinceramente, o miúdo está a encontrar com grande classe a maneira de forjar a sua sonoridade e acreditem quando vos digo, estes instrus têm maínga, a coisa está mesmo muito bonita. A continuar assim, o ndengue não demora muito até se instalar confortavelmente no circuito "duro", está muito, mesmo muito consistente. Parabéns Rayman C.

Catem o mambo aqui

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Links Renovados pt.II - Os "pididus"

A pedido do n'dengue quem, Mekhi, aqui vão 3 álbuns anteriormente postados aqui e cujos links se fatigaram da espera que alguém lhes downloadasse. Infelizmente dois deles são rapidshare, foi o que encontrei, só o do Manecas é que tive de fazer re-up e voltei a meter no zshare.

Cesária Évora - Miss Perfumado
Mayra Andrade - Navega
Manecas Costa - Paraíso di Gumbe

Xau yá? Até logo...

Alberto Teta Lando: Para sempre regressando...

... mas só nas ondas sonoras e (para os que acreditam) na rectidão do seu espírito que para sempre ficarão marcados nas memórias dos seus contemporâneos que têm agora a missão de a passar às vindouras gerações. Um assobio mô kota, um assobio pela tua memória, que possámos um dia nomear-te profeta, quando finalmente conseguirmos nos "reunir" naquele funji de domingo. Muito obrigado por tudo.
1948 - 2008

terça-feira, 15 de julho de 2008

Apelo (quase) Desesperado


Amizades, vou para angola daqui a dias e, como vou por lá ficar até depois das benditas eleições, tive a ideia de (mais uma vez) tentar fazer um documentário sobre as mesmas (eleições) na perspectiva de quem em 92 não tinha idade para votar e que agora vai votar pela primeira vez, etc etc...
Como para o angolano os projectos não avançam sem "patrocinio", vim fazer um apelo (quase) desesperado no sentido de alguém me arranjar(emprestar, alugar, entre outros porque não tenho massa pra comprar) o utensilio essencial para qualquer documentário, A CÂMARA, pois isso mesmo, ideia sem matéria prima....
Por isso, quem quiser "patrocinar" contactar-me via e-mail katalahary@hotmail.com

Agradecida....

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Ponto de Equilíbrio - Abre a Janela

Estes brothers são fortes. Devo admitir que as "filosofias" e as "religiões" sendo sempre sectárias e cheias de muita treta esotérica, me cansam e causam erosão no meu interesse. Mas quando consigo fazer abstracção de todo o cliché e lero lero guardando apenas a musicalidade e os temas mais terra à terra, é aí que me torno um graaaaaaaaaaaaaaaaaaaaannde fã de reggae. Os Ponto de Equilíbrio são brazukas, uma das muitas bandas de bom reggae que tem por lá (pensem Nativus, pensem Planta e Raíz, pensem Djambi) e este é o último álbum de originais dos manos. A dika tá doce e eu lembrei de por aqui agora porque NA TERÇA FEIRA, dia 15 (amanhã) eles vão tocar aqui em Lisboa, no Domus. A dika tá a 12€ e vai ter uma primeira parte dos Terrakota, se alguém que lê isto nunca os viu ao vivo, deveria aproveitar, os mwadiés fecham a conta.

Ponto de Equilíbrio - Abre a Janela

01 - Janela da Favela
02 - Verdadeiro Valor
03 - Menino João
04 - Poder da Palavra
05 - Soul Rebel
06 - Tão Bela
07 - O Inimigo
08 - Só Quero O Que é Meu
09 - Velho Amigo
10 - Quem Sabe...(Salomão)
11 - Lágrimas de Jah
12 - Graças e Louvores


(Xê me pareceu ver aí um dred com a t-shirt do FC Porto...mmhh?!)


Catem o mambo aqui
pass: respiremp3.blogspot.com

domingo, 13 de julho de 2008

Jean Ziegler - O Império da Vergonha


Esse é o livro que estou a ler agora e queria aconselhá-lo a toda gente. Na verdade queria fazer um pouco mais do que isso, tinha pensado em comprar uns 5 e oferecê-los, mas tive de reduzir as minhas ambições a 2 ou 3 porque o livro em português é 3 vezes mais caro. PORRA! Custou-me 6,50€ em frança (edição de bolso), custa 19 aqui na tuga (edições Asa), isso só pode desincentivar a leitura num país que tem carência de intelecto.
O kota Jean Ziegler é um velho daqueles bem rabugentos que no entanto nos mostram que a máxima: "Se não és socialista aos 20 não tens coração, se ainda o és aos 40 não tens miolos" é uma granda cantiga de Quim Barreiros de velhadas que querem justificar os seus comportamentos egoístas sem que a moral lhes possa pesar. Alter-mundialista convicto, sempre se bateu pelos direitos humanos e pelo acesso aos bens básicos que uns e outros tornam escassos para seu proveito pessoal.
É suiço e alto crítico do seu país, acusando-o em dois dos seus livros de ser o banco dos nazis e explicando pormenorizadamente como a Suiça enriqueceu fechando os olhos à barbárie e ao genocídio de milhões e como continua a fazê-lo contemporâneamente.
Neste livro ele fala da "refeudalização" do mundo e como uma nova classe de capitalistas que ele apelida de "cosmocratas" se está a apoderar de tudo o que a natureza nos fornece gratuitamente (água, plantas e não tarda muito, o ar), patenteando códigos genéticos e metendo etiquetas em tudo, para nos revender depois à preços proibitivos e, como essa "esperteza" reservada aos menos escrupulosos, reduz à indigência a maior parte dos terráqueos que se vêm privados do acesso aos mecanismos de garante social (alimentação, educação, saúde).
Façam um favor à vocês próprios, arranjem este livro e depois façam-no girar, é um documento para a humanidade e para a "re-humanização" da nossa espécie.

O vídeo em baixo foi extraído de um documentário que também aconselho vivamente: We Feed the World.

quinta-feira, 10 de julho de 2008

Links Renovados

Para quem perdeu, aqui vai a chance de sakarem de novo. Se houver links que deixaram de funcionar e não consigam encontrar as dikas noutro lado, berrem aí que a malta tenta arranjar o re-up.

Irmãos Kafala - Ngola

Phay Grand - Pão Burro
MCK - Nutrição Espiritual
Leonardo Wawuti - Ltrospectivo
Keita Mayanda - O Homem e o Artista

E de bónus vos deixo um clip de um som daqueles que me dá aquela sensação de "levanta, sacode a poeira e tenta de novo". Vejam lá se não concordam comigo quando digo que o Bilal tá com cara tipo Agostinho Neto eh eh.

Hezekiah feat. Bilal - Looking up

terça-feira, 8 de julho de 2008

Ave. To - Three Way Intersection (2008)



Na minha pesquisa por instrumentais de rap e um conexão mais séria entre o rap e o jazz encontrei referencia a estes madiés que afinal não são tão desconhecidos assim... Do caraças... The Unknown, Oddisee & Kolai juntaram-se e atiraram uns tantos instrumentos por cima (saxofone, violino, baixo acústico, guitarras, drums, cello, teclados variados) e saiu esse mambo... Epah eu tou a sentir a sério... Aconcelho... Deca Deca...

Traklist:
01. Mama’s Koolaid
02. Sand To The Beach
03. Mass Transit
04. Cuba Libra
05. Gallery Place
06. Natural
07. Cuz Of U
08. Glow Nights
09. Abuja
10. Future Funk
11. Loin De Toi
12. Stank
13. Xess
14. Unmandyax
15. As The World Turns

Taquí o mambo Pt.1
Taquí o mambo Pt.2
Nas - Hero feat. Keri Hilson
J.Rawls - The Liquid Crystal Project I (2006)

Tracklist:
1 Liquid Intro 0:26
2 The D E Effect 5:09
3 Heart Throb 2:20
4 Infancy 3:47
5 A Tribute to Dilla 4:47
6 Remember When 5:30
7 Simple Game Plan 4:22
8 So Fly 4:49
9 Still Taking It Ez 2:47
10 A Tribute to Bobby 5:38
11 Running 3:18
12 Cao 3:52
13 A Tribute to Troy 5:12
14 Crystal Outro 0:44
15 [Untitled Track]3:30


J.Rawls - The Liquid Crystal Project II (2008)



Tracklist:
01. The Lead
02. A Tribute To The Beatnuts
03. Digital Funky
04. Rob's Gem
05. Loran's Dance Redux (Pushitalong)
06. A Tribute To The Beatminerz
07. Joshy's Gem (Interlude)
08. Me & Cousin
09. Capricorn's Reprise
10. Charlie Chop's Gem
11. Retreat At Turnberry
12. Bongosss (Interlude)
13. Hebejeebees
14. B's Gem
15. We Fall Down
16. Yinde's Gem (Interlude)
17. The 6th Minute (Bonus Track)
18. A Tribute To Souls

Taquí o mambo

domingo, 6 de julho de 2008

Elzhi (Slum Village) - Europass (2008)

Mixtape distribuida pelo bicho nas mini-tours que teve a fazer pela Europa, uns sortudos apanharam o mambo, outros mais vivos ainda atiraram na net... hehehehe...

Tracklist:
1. Intro
2. That's That One
3. Fire feat. Black Milk
4. The Reason feat. Phat Kat
5. Talkin' In My Sleep
6. Save Ya feat. T3
7. The Know
8. High Off Life
9. Heart Of The City
10. The Transitional Joint (Baby Girl Glow)
11. Dedicated feat. Trip
12. Motown 25 feat. Royce Da 5'9"
13. Audio Cinematic

Taquí o mambo

Shawn Jackson - First Of All... (2008)

Ja tinha muita gente a pedir esse mambo...
Porrrrrrrrrrrrrrrrrra... Esse jovem é bom...

Tracklist:
01. How Ya'll Feel??
02. First Of All...
03. Soopafly (feat. Ty & Kory)
04. Fix Ya Face
05. Traveling Salesmen (feat. Comel Of Time Machine)
06. Gold Medal Kids (feat. Beloved & Comel)
07. Backstage
08. Strategies (feat. Guilty Simpson)
09. Go There With You (feat. Ty & Kory)
10. Feelin' Jack
11. Countdown
12. Hate Down
13. Maan Up! (feat. Taraach & Big Tone)

Taquí o mambo

Drum Brothers - The Fresh Touch (Remix)

Tracklist:
01- De La Soul ( Feat Redman) - Oooooh
02 - Kool G Rap (Feat. Nas) - Fast Life
03 - Dilated People - Bullet Train
04 - Talib Kwali - On Mission
05 - Ghostface Killah (Feat Jadakiss & Comp) - Run
06 -Jamal - Fades Em All
07- Camp Lo - Luchini
08 - Mobb Deep - Quiet Storm
09 - Redman & Method Man - Tear It Off
10 - El Da Sensei - Summertime Bluez
11 - Cocoa Brovaz - Living Legends
12 - Jackson Five - I Want You Back

Taquí o mambo

Drum Brothers - Live & Uncut 12' (2008)

Drum Brothers: Guan Jay, Permone & Arshitect, 3 incriveis produtores franceses. Tudo começou em 2006, depois de uma mixtape vem este 12'' que promete seriamente (como podem ouvir no video). Sons de jazz fresco, samples, condimentos de drums e sem duvida muito muito boa vibe... São 6 sons doces pro ouvido... Recomendo em grande...

Tracklist:
A1 - Take It Back feat Blezz
A2 - Live & Uncut feat C2C
A3 - Take It Back (Instrumental)
B1 - NY State Of Mind feat Shinobi, Melodiq & Dj Greem
B2- Love Break feat Fazz
B3 - Remix Me (Live & Uncut Soundbank)


Drum Brothers - Live & Uncut feat. Pfel & Atom


Bilal Salaam - Blah (2007)

Bilal Salam (não confundir com o outro Bilal) é um mc de Washington virado pro nu-rap, nu-soul, nu-bue de mambos que cuiam de vez em quando. Este disco tem produções que vão desde Roddy Rod, Kev Brown como também ao proprio Bilal Salam... Eu curtí, muito saxo, muita guitarra, muito bass-line... Sem dúvida é um must-have-must-listen... Boa Vibe... Bom som...

Tracklist:
01. Dope
02. Modern Day Slavery
03. Blah
04. CyberSpace
05. So What
06. Time Between Interlude
07. In Between
08. No Time
09. NooHustle
10. FourFit
11. Time Between #2 Interlude
12. Draw The Shades
13. Overthought
14. In Between (Remix)

Taquí o mambo

Bilal Salam - Cyberspace (Live)

Strange Fruit Project: S1 Music Box 12''

Isto é apenas o 12'' do disco que está pra vir ai da recentemente fundada produtora dos Strange Fruit Project... O mega-super produtor Symbolyc One aka S1 vai editar "Music Box" e aqui ficam uns rebuçados do 12'' pra quem gosta de boa música...

Tracklist:
01 - Be Sure (Instrumental)
02 - Be Sure feat. DV, Alias, Khryst
03 - Mash (Instrumental)
04 - Mash feat. Rapper Pooh & Kay

Taquí o mambo

Strange Fruit Project Presents: S1 Music Box

Sam the Kid e Valete

Quando se vai falar em Hip Hop português são sem dúvida os nomes mais óbvios e de actualidade e, ao contrário dos USA onde os mais falados são normalmente os podres que vendem mais e não necessariamente os mais vanguardistas, estes dois não desmerecem de todo o spotlight que partilham.


Sam the Kid

O Sam the Kid ouvi-o pela primeira vez em '99 quando fazia alguns programas na Ant3na com o José Mariño (saudades do Repto). Ele emprestou-me o Entre(tanto) com outras duas maquetes de altíssima qualidade que se viriam a tornar mais que raridade, extintas: O expresso do submundo dos Dealemma e o EP do Dok Strainja. Gravei tudo a correr para MD, mas na altura (17 aninhos) para poupar MDs gravava tudo em LP então a qualidade deixa a desejar. Foi aí que comecei a prestar uma atenção mais cuidadosa ao hip hop português, a levá-lo mais a sério.
Apesar de o meu favorito ser o Expresso do Submundo, havia algo acerca do Entre(tanto) de muito especial: tinha uma sonoridade muito distinta, muito corajosa e original na abordagem dos instrumentais com grande quantidade dos samples sendo retirados de música portuguesa. Pensei que isso lhe distinguia de tudo o resto que apesar de muito bom, podia sempre ser comparado a algum qualquer americano, este cumpria aquilo que se espera da arte, que continue em movimento e a expandir-se, como se fosse um vaso de cerâmica moldado pelas mãos de milhares de artistas, onde cada um lhe incorpora retalhos do seu mundo particular, juntando-lhe um traço só seu. O Sam meteu o traço dele nesse vaso do Hip Hop e o melhor, não procurou fazê-lo, foi espontâneo, foi puro, genuíno. Isso é muito raro.

Cheguei a duvidar do Sam quando ele lançou o Sobre(tudo), não gostei do disco, senti que era um regredo em relação ao que ele tinha começado com o Entre(tanto). Os instrumentais pareciam muito mais a "americanar" e os temas eram chatos, com a excepção notável do "Recado" que é um upgrade x10 ao "A Caixa".

Nos anos seguintes o Sam começou a soar AO MESMO para mim, sempre a mesma coisa, repetitivo, instrumentais altamente imitados (e ADMITIDAMENTE imitados) aos seus ídolos J Dilla, DJ Premier, Pete Rock. Não saía um álbum que não tivesse um instru do Sam, muito gajo podre só lançava álbum porque tinha dois instrus do beatmaker mais atarefado da tuga.

Ao mesmo tempo, começou a moda das rimas "tico e teco não fico mabeko miro o tejo e pinto o meu tecto sou recto sem curvas ando aos apalpões às miúdas... blá blá blá", que ainda persiste até hoje. Que coisa aborrecida, as músicas tornam-se códigos silábicos que só os próprios artistas, malabaristas do flow e fãs Indiana Jones conseguem decifrar. O Sam também navegou essas águas e quando chegou o Beats Vol.I: Amor eu não pude fazer uma avaliação completa da direcção que ele estaria ou quereria tomar. Admirei mais uma vez a coragem de fazer algo fora da tendência, mas os instrumentais em si ainda me pareciam muito marcados pelas suas influências. Este é um álbum que foi crescendo em mim, comecei a baixar as guardas e a aceitar que era um disco muito bonito, também pelo que ele representava: a história de amor dos seus pais. Foi o álbum que lhe propulsou para o patamar de MÚSICA PORTUGUESA e foi a primeira vez que o Hip Hop foi aceite de maneira tão universal num país de gente tão atrasadinha. Mais uma vez, Sam conquista isso tudo sem o mínimo de pretensão, sem o ter concebido. Começam também os problemas de "sample clearance" que não se punham até então a um artista de "concertos no bairro". Velhos ranzinzas que não sabem distinguir homenagem de roubo... ainda prá mais perdeu (viva o Sam).
Continuei de pé atrás em relação ao Sam rapper até que saísse o Pratica(mente) que foi para mim a rendição: tiro o chapéu e faço uma longa vénia a esse rapaz tão humilde e tão talentoso que consegue reinventar-se, aceitar-se como é sem tentar se fingir diferente para agradar aos restantes. O MELHOR artista de hip hop português para mim.


Entre(tanto)
Os meus sons preferidos: Ódio, Xeg & Sam, Tempestade, Estranha Forma de Vida, Visões, Mil Razões e Lágrimas.

01. Entre(tanto)
02. Pelas Rimas (com NBC e Jah3)
03. Ódio
04. Xeg & Sam (com Xeg e Sanryse)
05. Reflexo
06. Tempestade
07. 7º Céu
08. A Caixa
09. A Verdade
10. Estranha Forma de Vida
11. Visões
12. Mil Razões
13. Vício (Mundo Verbal)
14. Lágrimas
15. Verdade (Remix - com Bomberjack e Shaheen)

Catem o mambo aqui
Password: http://takers-zone.blogspot.com

Beats Vol.I: Amor

01. Beleza
02. O Keu Kero
03. Sedução
04. Vem
05. Eternamente Hoje
06. Alma Gémea
07. A Fundação
08. Fogo Sem Chama
09. Lances
10. A Manhã Seguinte
11. Até Um Dia
12. Arrependimento
13. Memórias
14. Quando A Saudade Aperta
15. Eu E Tu
16. Recaída
17. O Amor Não Tem Fim



Catem o mambo aqui
Password: http://takers-zone.blogspot.com

Pratica(mente)

Xê, o Sam aqui até elevou para outro patamar aquelas rimas do "tico e teco não fico mabeko miro o tejo e pinto o meu tecto sou recto", agora a dika tá muito mais sóbria e decifrável para comuns mortais. A música 16/12/95 é simplesmente uma das composições mais bonitas já musicadas, o Sam estoriador maduro e prestes a rebentar. ISTO É UM SENHOR ÁLBUM!!!

01. Pratica(mente)
02. A partir de agora
03. Juventude (é mentalidade)
04. Poetas de karaoke
05. À procura da perfeita repetição
06. Abstenção
07. Negociantes
08. Retrospectiva de um amor profundo
09. Presta atenção
10. Pus-me a pensar
11. Ignorância
12. 16/12/95
13. De repente
14. Slides (Retratos da cidade branca)
15. Slides (Referências)
16. Tempo
17. Hereditário



Catem o mambo aqui


Valete

Este broda... nunca lhe liguei muito, lembro-me dele da primeira mixtape do bomberjack "Reencontro do Vinil", penso lembrar-me numa das rimas ele fazer referência à sua recente incursão no mundo das rimas e já a rimar melhor que metade, aquelas "braggadocio rhymes" que todo o rapper que se preze tem na algibeira, só que o dred não me entrava. Só voltei a ouvir falar dele na mixtape do Cruz Lisboa-Porto Connection (porra mixtape clássica), mas se calhar a escolha do instrumental dele (um do NORE com produção dos Neptunes) e a dika do "ficas dois dias a fazer cocó", fizeram com que me desligasse mais uma vez. Nunca mais ouvi falar nele até que o meu bom amigo Keita Mayanda que estava a viver na tuga me chegou a casa do Conductor com um cd cor-de-laranja na mão e me disse: "comé, esse álbum vale a pena!". Eu vi VALETE e pensei "mmhhhh". Abri o livrinho, comecei a ler as letras e "PAF" (chapada na cara), endireitei na cadeira e li com muita atenção! No dia a seguir fui rapidamente à King Size adquirir a minha cópia. Ouvi a dika duas ou três vezes de seguida e lembro-me de ter pensado para mim próprio: "Porra que boa surpresa", dupla surpresa porque o mano não veio sozinho, trouxe um reforço nervooooso chamado Bónus e lançou o álbum tipo o Raekwon the Chef feat Ghostface, o n'dengue Bónus tava em bwéee de sons. Mandei um mail ao mano a felicitá-lo e ele respondeu-me com aquele obrigado de boas maneiras muito polite que os artistas mandam nos seus fãs. A gente acabou por estabelecer um contacto mais permanente e eventualmente surgiram as colaborações, longas discussões via msn, debates sobre música, a indústria, política, sociedades secretas, sociedade em geral... um mano muito forte, apesar de andarmos frequentemente às turras (somos os dois muito casmurros). Até ao dia de hoje ando a tentar compreender o complexo ser humano que se esconde por trás do animal político apelidado Valete, a conhecer melhor o Keidje, mas enquanto não logro os meus intentos, resigno-me com as pistas que ele me vai deixando apreciar...

Educação Visual

A capa não é propriamente um chamariz para quem não saiba o conteúdo que alberga, mas desde muito cedo que tentam ensinar-nos a não julgar o livro pela capa. Pode bem ser eleita a PIOR CAPA DE TODOS OS TEMPOS (e não estou a falar só do hip hop), pelo menos pode concorrer pelos lugares cimeiros, daquelas capas que meter na ficha técnica o autor é tipo descaramento, mas já aí começa o mito Valete:"Não será essa mesmo a intenção dele? Educação Visual e tal, é maneira de afastar os impuros que só vão já ouvir aqueles com capas bem blingadas...". Bwé de teorias, mas a verdade é que o dred acabou por ceder à pressão e fez uma coisa mais "convencional" para a reedição. Eu tenho uma estima infantil por essa capa feiosa e para além do mais, não oiço o disco a olhar para a capa.

01. Educação Visual
02. Nossos Tempos
03. Ele & Ela
04. Serial Killer
05. À Noite
06. Exibicionismo
07. Liricistas (feat. Ace, Chullage and Fuse)
08. Beleza Artificial (feat. Sam The Kid)
09. Nada a Perder
10. Pseudo MCs
11. Mulher Que Deus Amou
12. Chegou a hora
13. Freelancer
14. Ser Ou Não Ser



Catem o mambo aqui


Serviço Público

O pessoal clamou pelo álbum e ele chegou, sempre o Valete nervoso a cuspir veneno contra o poder instituído, contra a indústria musical, assumidamente político e anti-capitalista, mas... para muitos um Educação Visual Vol.II. Gostei muito do disco, mas obviamente que não me marcou como o primeiro, talvez pela ausência do efeito surpresa, aquele elemento que falta cruelmente depois do artista já se ter estabelecido. O meu tema favorito é o Anti-herói.

01. Coisas do Género
02. Serviço Público (com DJ StikUp e Selma)
03. 15 segundos de Hugo Chavez
04. Revelação (com Raquel Oliveira)
05. Pela Música pt.1
06. Pela Música pt.2 (com Ikonoklasta e Sam The Kid)
07. Canal 115 (com Bónus, Adamastor e DJ StikUp)
08. Subúrbios (com DJ StikUp)
09. Os Meus (com Bónus e DJ Bomberjack)
10. Não te Adaptes (com Selma)
11. Masturbaçao Mental
12. 15 segundos de Fidel Castro
13. Monogamia (com Sara Ribeiro e DJ Bomberjack)
14. Roleta Russa
15. 15 segundos de Che Guevara
16. Anti Herói (com Selma)



Catem o mambo aqui

sábado, 5 de julho de 2008

Nas - Untitled (Advanced) [2008]

Hehehehehehehhe... alguém fez o leak...
Deca Deca...
Tracklist:
01. Queens Get The Money (Prod.by Jay Electronica)
02. You Can’t Stop Us Now (ft. Eban Thomas & The Last Poets) (Prod by Salaam Remi)
03. Breathe (Prod. by J. Myers & Dustin Moore)
04. Make The World Go Round (ft. Chris Brown & The Game) (Prod. by Cool & Dre)
05. Hero (ft. Keri Hilson) (Prod. by Polow Da Don)
06. America (Prod. by Stargate)
07. Sly Fox (Prod. by stic.man of Dead Prez)
08. Testify (Prod. by Mark Batson)
09. N.I.G.G.E.R. (The Slave And The Master) (Prod. by DJ Toomp)
10. Untitled (Prod. by Stic.man of Dead Prez)
11. Fried Chicken (ft. Busta Rhymes) (Prod. by Mark Ronson)
12. Project Roach (ft. The Last Poets) (Prod. by Eric Hudson)
13. Ya’ll My Niggas (Prod. by J. Myers)
14. We’re Not Alone (ft. Mykel) (Prod. by stic.man of Dead Prez)
15. Black President (ft. Johnny Polygon) (Prod. by DJ Green Lantern)

Taquí o mambo

sexta-feira, 4 de julho de 2008

Jahi - SoulHop: The Breakthru [2006]

Eu só ia me sentir bem depois de por este álbum aqui. Nos ultimo ano foi o disco que provavelmente ouvi mais vezes, tem temas que adoro. Adoro também a forma relaxada e descontraída sem grandes preocupações com que ele cai nos instrumentais... Grandes beats de Nick-Nack... Super álbum... Nota 30...
Mo Renegas... Granda dica...

Tracklist:
01. Intro
02. The Breakthru
03. On My Own feat. Dwele
04. Soulhop feat. Little T
05. Heartbreak Hip Hop feat. Linn
06. Triumph
07. We Rock feat. ADL
08. Sweet Melody feat. Don-E
09. S.O.S
10. Just Feel It
11. People Know feat. Tony Greer
12. Radio Raheem
13. Last Words

Taquí o mambo
Taquí outro mambo
Taquí mais outro mambo

Jahi feat. Dwele - On my own


Jahi feat. Nobody Beats The Beats - Radio Raheem


Jahi feat. ADL - S.O.S.

Theory Hazit and Vintage - Lord Fire (2008)

Rap de sala... Muito Nu-Rap e Nu-Vibe da cara...
Recomendo... Deca Deca...

Tracklist:
01. Yeah Yall
02. Deep Breaths
03. All Love feat. Elias Of Scribbling Idiots
04. Soph Sissy feat. Playdough
05. Grizzly
06. Bounce
07. Nobody Say feat. Braille & Raphi
08. One Time
09. Jive Turkey feat. Ohmega Watts
10. It’s Over
11. Together
12. Angel feat. Scribbling Idiots
13. Sonrise
14. Rags To Riches feat. Wonder Brown
15. Simplyill feat. Klarity, Freddie Bruno & Sivion
16. It’s Now
17. Go Home (Remix)

Taquí o mambo
Taquí outro mambo Pass: wtorek
Living Legends - She Wants me


Shawn Jackson feat. Ty - Soopafly


Reks - Say Goodnight

domingo, 29 de junho de 2008

Mala Rodriguez - Malabarismo [2007]

Passei os ultimos dias a ouvir esse mambo...
Tem me cuiado deca...
Aconcelho vivamente...
Dei...


Tracklist:

01. Volvera

02. Te convierto (con Raimundo Amador)
03. Nanai
04. Caida Libre
05. Menos tu
06. Tiempo pa pensar (con Julieta Venegas)
07. Toca toca
08. Enfermo (con Tego Calderon)
09. La loca
10. Miedo (con Mahoma)
11. Memorias del futuro
12. Jura y gana
13. Dejame entra
14. Por la noche (Bonus track)

Taquí o mambo

Mala Rodriguez - Por la noche


Mala Rodriguez - Toca Toca

Kam Moye aka Supastition - Self-Centered EP


Tracklist:
01. Where & Why (Produced by D.R.)
02. Welcome to My Life (Produced by Croup)
03. Change of Heart (Produced by M-Phazes)
04. Reach One feat. Kaze (Produced by Eric G)
05. Around the World feat. DJ Wreckineyez (Produced by Veterano)
06. Black Enough? (Produced by Eric G)
07. Give It Up (Produced by D.R.)
08. Self-Centered (Produced by D.R.)

Taquí o mambo
Pass: wtorek

Drapht - Brothers Grimm (2008)

Mais uma bomba da Australia, beats de Plutonic Lab, M-Phazes e Simplex...
Cuidado... Deca deca deca... Bate de milhões...

Tracklist:
01. Intro 01:26
02. Falling 03:40
03. The Money 04:27
04. Insomnia 03:13
05. Jimmy Recard 03:34
06. Dreams & Dreamers 05:17
07. A Good Year 03:46
08. Boom Boom Boom 03:48
09. Sound Man 04:34
10. Don't Wanna Work 03:31
11. Rest In Peace Feat. Ciecmate, Dazastah & Trials 04:16
12. Where Yah From 03:52
13. Put On A Record 04:44
14. Lost 04:19
15. Lose Control Feat. Porsah Laine 04:01

Taquí o mambo
Pass: wtorek
Fashawn - F.A.S.H.A.W.N.


Talib Kweli - Eat to Live

Spit Syndicate - Towards To Light (2008)

Rap australiano, produzido por M-Phases...
Dope dope dope... Deca deca deca...

Tracklist:
01. Towards The Light Ft. Sarah Corry 02:33
02. Weapon Of Choice 04:03
03. Here Today, Gone Tomorrow Ft. Solo 04:56
04. Pick It Up Ft. Sarah Corry 04:42
05. Til The World Blow Up Ft. Miriam Wahs 05:07
06. Blue Sky High Ft. Ron-E 03:26
07. Fresh Breath Music Ft. Fame 03:41
08. Shadows Approaching 04:07
09. Leave In A Minute Ft. Rowan Dix And Sarah Corry 03:33
10. Bring It Home (One Day) Ft. Rowan Dix 03:35
11. The Lucky Country 04:44
12. On And On Ft. Solo 05:14
13. All Summer Long (Part Two) Ft. Solo 06:05
14. The Lost Boys 05:08

Taquí o mambo
Pass: wtorek

Snowgoons - Black Snow (2008)

Tracklist:
01. The Curse (feat. King Magnetic, Charon Don & Reef The Lost Cauze)
02. Black Snow (feat. Ill Bill & Apathy)
03. Casualties Of War (feat. Smif-N-Wessun & Respect Tha God)
04. Who? (feat. Outerspace)
05. Hold Up (feat. R.A. The Rugged Man,Lord Lhus & Savage Brothers)
06. This Is Where The Fun Stops (feat. Reef The Lost Cauze)
07. Starlight (feat. Viro The Virus)
08. Knockatomi Plaza (feat. Side Effect)
09. Pay Attention (feat. Decay, Astonish & Scheme)
10. Server Justice (feat. Killah Priest, Rasul Allah & Richard Raw)
11. Still Got The Ammo (feat. Main Flow, Godilla, El Da Sensei & J. Sands)
12. Ride On (feat. Defari, Maylay Sparks & Sondro Castro)
13. Incite A Riot (feat. King Magnetic & Adlib)
14. Lost (feat. Respect Tha God, Block MCcloud & Doap Nixon)
15. Still Waters Run Deep (feat. Supastition)
16. Raining (feat. Brainstorm, Edo G & Jaysaun)
17. Sick Life (feat. Sick Jacken, Cynic & Bacardi Riam)
18. The Storm (feat. The Boom Bap Project)
19. Avalanche Warning (feat. Pacewon, Nervous Wreck & Adlib)
20. The Hatred (feat. Slaine, Singapore Kane & Lord Lhus)
21. Helpless (feat. Equinox)

Taquí o mambo
Pass: wtorek

sábado, 28 de junho de 2008

Vintage


Whitney Houston necessita de apresentações? O album Whitney e tem exactamente 20 anos. O resto é história....

1. I Wanna Dance With Somebody
2. Just The Lonely Talking Again
3. Love Will Save The Day
4. Didn´t We Almost Have It All
5. So Emotional
6. Where You Are
7. Love Is A Contact Sport
8. You´re Still My Man
9. For The Love Of You
10. Where Do Broken Hearts Go
11. I Know Him So Well


Hey, xé tá aki

sexta-feira, 27 de junho de 2008

Puto mau na bateria

Tudo o que posso dizer é: Khro-mo, vende esse mambo, vamos kangar no reco-reco ou quê, isso é muita humilhação, repara só no fim do vídeo o dred da guitarra, o mwadié tá tipo: "porra mas eu sou músico ou sei tocar?". O kanuko QUE TEM 3 VELINHAS (!!!), não parece estar minimamente incomodado com o death metal do pai dele, tá bater na dika nervosamente eheh.

terça-feira, 24 de junho de 2008

Soul Inglês VS Soul Francês

Já há bwé que tinha ideia de fazer este post, mas a preguiça era raínha, muitos álbuns para fazer upload de uma só vez (felizmente consegui encontrar links na net para dois deles). Vou dividir este post em duas subcategorias: as meninas-que-amam-muito-e-são-muito-melosas e as "intervencionistas".

Round 1: Floetry VS Teri Moïse

As Floetry são (eram) duas londrinas muito feínhas, mas com talentos perfeitamente complementares e INSUBSITUÍVEIS (isto está em garrafais, porque só descobri recentemente, apesar de ser "novidade antiga", que a Marsha "Songstress" Ambrosius saíu do grupo e que meteram uma outra mboa no lugar dela). Vão perceber melhor o que digo quando ouvirem os álbuns delas. Uma é rapper/poetisa de slam e a outra "cantorina", mas não é uma cantorina qualquer, é uma puta de uma voz que dá choques eléctricos na espinha e transpiração em cabeças onde o cabelo se faz raro. O mais forte delas duas, é que nenhuma ocupa o espaço da outra, a Floacist dá umas rimazitas e tal e a Songstress bokwa tipo nada quando tem que bokwar e dá sempre aquele brilho extra à música. O som "Butterflies" do primeiro álbum foi comprado e reinterpretado pelo Michael Jackson no 'Invincible', elas não se complicaram e meteram aqui a versão demo que arrebenta o jogo. Eu acho que gosto mais do primeiro álbum e dos sons de abertura. Normalmente não gosto muito de sons muito "eu te amo, te quero, me fazes falta" e essas baboseiras do R&B, mas tenho as minhas excepções e a Songstress obrigou-me a fazer das Floetry uma delas.

Floetic

01.Big Ben
02.Floetic
03.Ms. Stress
04.Sunshine
05.Getting Late
06.Fun
07.Mr. Messed Up
08.Say Yes
09.Hello
10.Headache
11.Hey You
12.If I Was A Bird
13.Opera
14.Subliminal
15.Butterflies
16.Now You're Gone (More Than I Can Feel)

Catem o mambo aqui

Flo'ology

01. "Blessed 2 Have" – 3:57
02. "SupaStar" – 4:12
03. "Closer" – 4:03
04. "My Apology" – 4:06
05. "Let Me In" – 4:25
06. "Lay Down" – 5:00
07. "Feelings" – 5:02
08. "Sometimes" You Make Me Smile – 6:38
09. "I'll Die" – 4:41
10. "Imagination" – 6:34
11. "I Want U" – 5:47
12. "In Your Eyes" – 4:29
13. "I Don't Know What To Say" – 4:42
14. "Waiting In Vain" – 3:54

Catem o mambo aqui

A Teri Moïse é uma falsa informação. Não se trata na verdade de uma francesa pois ela nasceu na Califórnia, South Central L.A. (bandula do Ice Cube), filha de pais refugiados do Haiti (como o Wyclef), estudou economia em Berkeley e decide vir para França não sei porque raios de carga d'água (é mentira sei sim, veio estudar letras na Sorbonne ehehhe), onde acaba por fazer amizades no meio musical e por ser baixista de alguns grupos pequenos. Em 1996 sai o primeiro álbum que foi misturado por um dos dreads do grupo Air, o segundo vem em 99 e depois disso ela decide parar de fazer música para se ocupar da filha, um coxe como a Kim Klijsters que abandonou o ténis para, diz ela, apreciar as coisas simples da vida... que lindo! Os discos da Teri NÃO TÊM TÍTULOS, as pessoas escolheram determinar que o primeiro era homónimo e que o segundo se chamaria 2ème album.


1. Les poemes de Michelle
2. Adieu
3. Aimez-moi comme avant
4. Il etait mon avenir
5. Ce conseil
6. Canal 2000
7. Je serai la
8. Une femme qui sait ce qu'elle veut
9. Comment aller la-bas
10. Les pages

Catem o mambo aqui

1. Intro
2. Il Sait
3. Star
4. Encore Fou
5. L'Air Du Temps
6. Une Place Pour Elle
7. C'Est Ainsi
8. Maudit Soit Cet Amour
9. Deja
10. Toi...Je
11. Fais Semblant

Catem o mambo aqui

Round 2: Ms Dynamite VS Les Nubians

Eu estava na Inglaterra quando a Ms Dynamite rebentou, lembro-me de me começar a irritar com o seu catchy, mas omnipresente Miss Dynami-tee-eee, em todo o lado o pessoal só ouvia isso, escapei boicotar a mboa sem ouvir o resto do disco e teria feito mal, porque a miúda até tem uns sons mais que engraçados, podem achar cliché a maneira dela de se engajar, mas para mim estava uns graus acima do engajamento colegial, aquele de muitos "rappers do underground" em Angola que curtem mencionar a palavra revolução 100 vezes por música como se para se convencerem eles próprios por força da repetição que são altas Che Guevaras. O segundo álbum seguiu a mesma linha, ainda mais crítica, se calhar um pouco mais mastigada, mas safa-se bem mais uma vez, apesar de lhe terem atribuído o Naomi Awards (assim chamado em "honra" da Naomi Campbell que a um dado ano resolveu lançar um single que foi tão mau tão mau que tiveram de criar uma categoria à parte) de pior Urban Act.

A Little Deeper
1. Natural High (Interlude)
2. Dy-Na-Mi-Tee
3. Anyway U Want It (feat Keon Bryce)
4. Put Him Out
5. Brother
6. It Takes More
7. Sick 'n' Tired
8. Afraid 2 Fly
9. Watch Over Them
10. Seed Will Grow (feat. Kymani Marley)
11. Crazy Crush
12. Now U Want My Love
13. Too Experinced
14. Gotta Let U Know
15. All I Ever Wanna Do
16. A Lil Deeper

Catem o mambo aqui

Judgement Days

01. Judgement Day
02. Father
03. Put Your Gun Away
04. Back Then
05. Fall In Love Again
06. Not Today
07. You Don't Have To Cry
08. Unbreakable
09. Pain
10. Shavaar
11. Self Destruct
12. Gotta Let It Go
13. She Don't Live Here Anymore
14. Mr. Prime Minister
15. Redemption Song

Catem o mambo aqui


Quanto as Les Nubians, curto bwé a sonoridade delas, o meu primo bem tentou me convencer que elas eram fingidas, que nunca as tinha visto em mambos africanos avançando como exemplo pertinente o mercado de Château Rouge. Só que não sei se ele sabia que elas não vivem em Paris, mas em Bordeaux, isto é, viviam, antes de irem montar barraca nos USA logo após o sucesso do primeiro disco, como o fizeram aliás as Floetry também (mas elas arrancaram antes, já gravaram lá). Não entendo qual é a dika dos artistas irem a correr se instalar ali, certo que é o maior mercado e tudo mais, mas aqueles tratam tudo como fastfood, 15 minutos de fama para cada um e depois... Casper contigo!!! Gosto mais do primeiro disco que do segundo, mas os dois são muito bons.

Princesses Nubiennes
1. Demain (Jazz)
2. Les Portes Du Souvenir
3. Abbeylude (Interlude)
4. Makeda
5. Sourire
6. Princesse Nubienne
7. Tabou
8. Mystic (Interlude)
9. Embrasse-Moi
10. Sugar Cane
11. Bebela
12. Si Je T'Avais Ecoute
13. Hymne Nubien (Interlude)
14. Voyager
15. Desolee

Catem o mambo aqui

One Step Forward
1. Nu-Hymne
2. Temperature Rising
3. J'veux D'la Musique (Tout Le Temps...)
4. La Guerre
5. El Son Reggae
6. One Step Forward
7. Brothers & Sisters
8. Me & Me
9. Take T - Interlude Lounge Intermezzo
10. Amour A Mort
11. Insomnie
12. Que Le Mot Soit Perle
13. Unfaithful/Si Infidele
14. Saravah
15. Immortel Cheikh Anta Diop


Catem o mambo aqui