quarta-feira, 5 de março de 2008

3 Afrikis globe-trotters

Angélique Kidjo - Djin djin

Dama beninense, mudou-se para Paris por causa da situação política no seu país natal e aqui viria a conhecer o seu actual marido e colaborador. Estudou direito e cedo se interessou pelos direitos humanos, tendo sido convidada para embaixadora da boa vontade da ONU, concentrado os seus esforços nos domínios da educação e saúde dos kanukos. Como muitos africanos, fala um elevado número de ídiomas (8) e canta na maior parte deles. Este é o seu 9º álbum. O meu som de eleição até agora é o Senamou, o balanço com a participação dos ceguinhos malianos Amadou & Mariam. Ja existe a circular uma versão com dois bonus tracks, um dos quais com a Joy Delanane. Vou procurar.

01 Ae Ae
02 Djin Djin (feat. Alicia Keys & Branford Marsalis)
03 Gimme Shelter (feat. Joss Stone)
04 Salala (feat. Peter Gabriel)
05 Senamou (c'est l'amour) (feat. Amadou and Mariam)
06 Pearls (feat. Josh Groban & Carlos Santana)
07 Sedjedo (feat. Ziggy Marley)
08 Papa
09 Arouna
10 Awan N’La
11 Emma
12 Mama Golo Papa
13 Lonlon (Ravel’s Bolero)



Catem o mambo aqui


Keziah Jones - Black Orpheus

Este mangas é incrível, autor/compositor nigeriano, criador do seu estilo próprio denominado Blufunk, tornou-se popular nos meios mais restritos do indie rock com o seu primeiro som, Rhythm is Love de 1992. A estória repete-se: filho de chefe tribal, foi enviado pelos pais para Londres, ainda dos seus tenros 8 anos, onde seria suposto estudar para vir a ocupar o lugar do papá. Aos 13 descobriu o piano da escola e, em formato autodidata, aprendeu a tocar e a compor. A música foi como um refúgio da pressão que sentia das altas expectativas depositadas em si pelos pais. Aos 16 mudou para a guitarra e começou a desinteressar-se cada vez mais pelo destino que lhe fora traçado pelos genitores, faltava as aulas, cagou nos exames e eventualmente acabou por abandonar e eclipsar-se da vista dos familiares, viveu uma vida boémia tocando na rua, metro e bares ingleses, evitando sempre ser controlado pelo serviço de migração e fronteiras. O resto é da praxe, vejam o clip do Seu Jorge para adivinharem. Pronto está bem eu digo. Um lindo dia, estava ele a tocar por esmolas quando foi “descoberto” pelo seu manager que lhe meteu em tournée pelo UK e em estúdio para gravar o primeiro álbum. O brother também pinta, é fotógrafo e faz curtas metragens, um rapaz multifacetado que não quis ser chefe da tribo. Black Orpheus é um álbum do caraças, o seu quarto e último de originais

1. Afrosurrealism For The Ladies
2. Kpafuca
3. Femiliarise
4. Wet Questions
5. Neptune
6. 72 Kilos
7. All Praises
8. Beautiful Emilie
9. Sadness Is...
10. Autumn Moon
11. Black Orpheus
12. Orin O'Lomi



Catem o mambo aqui


Richard Bona - Reverence

Chamam-lhe de Sting africano. O brother nasceu em Minta, nos Camarões e mistura muitos ritmos bonitos desse mundo fora dando-lhe aquele toque mágico de africano intelectual mas sempre com o pé descalço. A mãe e as 4 irmãs eram integrantes do coro da igreja local, o avô era percussionista e cantorino, o dread fez das próprias mãos vários dos seus primeiros instrumentos incluíndo flautas, um grande balafon (aka marimba), instrumentos de persussão em madeira e uma guitarra de 12 cordas. Aos 12 mudou-se para Douala com o pai e lá viveu alguns anos, teve as suas primeiras aventuras musicais com grupos um coxe à toa até que um franciu que era dono de um bar lhe pediu que formasse uma banda de inspiração Jazz para ser residente do mambo, passando-lhe uma colecção de 500 vinyls entre os quais um de Jaco Pastorius e apartir daí foi o fim da macacada, kangou no baixo. Como todo artista africano que se dá bem no ocidente, o brother mudou-se para Paris e mais tarde para Manhattan... é quase inevitável né? Aconselho-vos a ouvirem o resto do trabalho dele. É sempre de alta qualidade.

01 - Invocation (A Prophecy)
02 - Bisso Baba (Always Together)
03 - Suninga (When Will I Ever See You?)
04 - Ekwa Mwato (Affirmation Of The Spirit)
05 - Sweet Mary (Everyone Has A Choice)
06 - Reverence (The Story Of A Miracle)
07 - Te Misea (A Scream To Save The Planet)
08 - Muntula Moto (The Benediction Of A Long Life)
09 - Laka Mba (Pleas For Forgiveness (With The Pride Of Lions)
10 - Ngad'a Ndutu (Widow's Dance (Celebration Of A New Life)
11 - Esoka (Trust Your Heart)
12 - Mbanga Kumba (Two Cities, One Train)

Catem o mambo aqui

3 comentários:

Anônimo disse...

Pohhhh, Keziah muito forte, ja conheco esse brother a um tempo (acho q tu mesmo eh q me mostraste, n tenho a certeza), conheco ppl q o conhece pessoalmente de Londres e todos com boas dicas.
Agora numa nota mais geral, soh pra dizer q tenho vindo aqui com frequencia para alimentarme de musica, bom som e boas dicas, tou a curtir.
A dica do Xumane, nada, n concordo mm contigo, esse madie nao tem nenhuma critica com fundamento, fica so mm ai a gritar a toa e fala de coisas q todos ja sabemos...e artisticamente tb nao eh nda de jeito...waste of time! O problema eh q lhe deram muita atencao.
Muito fixe a dica do Mingas, grande referencia mas acho q antes tinhas q por uma cena dos irmaos Kafala, para mim os MAIORES de Angola em todos os aspectos; ate comecando com a modestia, honestidade e humildade q esses senhores tem num pais e sociedade q ja esqueceu dessas virtudes. Neste momento estao esquecidos e vivem no suburbio, numa casa sem agua nem luz, iguais a todas as outras a caminho do Mussulu. Uma falta de respeito total.
Anyway, keep up the good work BOY! ehehehe, teu blog tah muito forte ;-)

Konanga disse...

Pohhhh, Keziah muito forte, ja conheco esse brother a um tempo (acho q tu mesmo eh q me mostraste, n tenho a certeza), conheco ppl q o conhece pessoalmente de Londres e todos com boas dicas.
Agora numa nota mais geral, soh pra dizer q tenho vindo aqui com frequencia para alimentarme de musica, bom som e boas dicas, tou a curtir.
A dica do Xumane, nada, n concordo mm contigo, esse madie nao tem nenhuma critica com fundamento, fica so mm ai a gritar a toa e fala de coisas q todos ja sabemos...e artisticamente tb nao eh nda de jeito...waste of time! O problema eh q lhe deram muita atencao.
Muito fixe a dica do Mingas, grande referencia mas acho q antes tinhas q por uma cena dos irmaos Kafala, para mim os MAIORES de Angola em todos os aspectos; ate comecando com a modestia, honestidade e humildade q esses senhores tem num pais e sociedade q ja esqueceu dessas virtudes. Neste momento estao esquecidos e vivem no suburbio, numa casa sem agua nem luz, iguais a todas as outras a caminho do Mussulu. Uma falta de respeito total.
Anyway, keep up the good work BOY! ehehehe, teu blog tah muito forte ;-)

ikono disse...

Come primo? Nas calmas? Epah respeito o teu ponto de vista em relaçao ao Xumane, eu n disse q ele era um grande artista, a unica coisa q escrevi foi que nao acho q o som seja OFENSIVO! E uma manifestaçao man, mas ya... e nakela unidade. Tou a tentar catar ai uma cena dos Kafala, os dreds sao mto maus, mas infelizmente mto ahead of their time para serem curtidos numa naçao de Kizomba e 50 Cent.
Força primo