quarta-feira, 10 de março de 2010

Flagelo Urbano - Entre o Tempo e a Memória


Curto bwé esse mano. Há tempos postei aqui o som promocional que ele meteu a circular na net para antecipar a saída deste EP. Acho que continua a ser o meu tema favorito do trabalho e, certamente, um dos melhores que já fez.

Nem toda a gente é polivalente dentro dos seus géneros e o Flagelo é um dos artistas que, aceitando a sua monovalência, procura aperfeiçoar-se, aprimorar o seu estilo e eu sou de opinião que essa persistência às vezes dá frutos.

O Flagelo é do mais independente que pode haver, pois compõe as suas letras, faz os seus instrumentais e grava-se a si próprio no seu estúdio caseiro ao qual escolheu chamar “O Zoo” ou “Medina”. A intro do EP é uma entrevista que o Sebastião Vemba fez no recentemente construído bairro do Zango, a uma senhora recentemente lá “realojada”. O subtítulo sugere metaforicamente que a condição desta senhora é resultado do fiasco das políticas do Zé Du e é perfeita como mood setter para o Manifesto que se lhe segue.

O resto do EP é bastante sólido e recheado de beats consistentes e letras conscientes, sempre naquela tónica mais intelectual que nem sempre é fácil de digerir para ouvidos mais ecléticos (ou mais superficiais). Um EP aconselhável para quando queremos nos sentir mais atentos ou revoltados para partir mambos. Boa semente mano Flagelo, aguardamos ansiosamente pelo LP.

01.Intro - Os Flagelados do Vento Santo
02.Manifesto
03.Muda a Cara da Tua Cara
04.Destino (Fado)
05.Louco Por Opção (O Elogio da Loucura)
06.Música Alternativa
07.São Paulo de Loanda (Porquê nos Tens Como Enteados?)
08.Pangea (Alicerces de Uma Vida)


Catem o mambo aqui

Um comentário:

Zola Bento disse...

Mano Flagelo és um astro incomparável, és um batalhão sozinho, és incrível as do que o Hulk, porque sabes penetrar nas mentes das pessoas trazendo em tuas letras a mudança necessária!
força força, continua no movimento não pares!