sexta-feira, 16 de outubro de 2015

O ufolo, tubia!... (A liberdade é fogo!)








Poderia debruçar-me num texto repleto de nuances informativas, hiperligações de artigos e vídeos, adentrando-me nesta espiral de acontecimentos, mas acredito que todos temos acompanhado, de certa forma num misto de emoções, frustrações, passividade de alguns e engajamento de outros, o panorama sócio-político de que o governo Angolano em suas dissonâncias, tem presenteado ao seu povo, a respeito da Liberdade de Expressão, dos Direitos Humanos, Cidadania, Justiça, Integridade Pessoal, Capacidade Civil e o Direito a Vida, nestes 118 dias.


Escrevo com o intuito de enaltecer estes 15 bravos, que a sua luta e esforços, apesar de retidos pela desinformação e outras ferramentas de instrumentalização maléfica, pelos órgãos de comunicação social e entidades governamentais, não tem sido em vão.


Faço uma vénia aos nossos manos:

- Manuel Chivonde Batista(Nito Alves)
- Afonso Mayenda João Matias(Mbamza Hamza)
- José Gomes Hata
- Hitler Jessy Chivonde
- Inocêncio António de Brito(Druxe)
- Sedrick Domingos de Carvalho
- Albano Evaristo Bingocabingo
- Fernando António Tomás(Nicola)
- Nelson Dibango Mendes dos Santos
- Arante Kivuvu Italiano Lopes
- Nuno Àlvaro Dala
- Benedito Jeremias Dali(Dito)
- Domingos José da Cruz
- Osvaldo Caholo
- Henrique Luaty da Silva Beirão(Ikonoklasta)


Pela sua tenacidade, coragem, arcabouço, convicção e abnegação, diante dos maus tratos e espancamentos a uns, e greves de fome de outros, ao ponto de meterem a vida e integridade física em risco, sob forma de protesto contra o término do prazo da prisão preventiva(90 dias), sem acusações formais, que foram acometidos.


O vosso esforço é deveras apreciado por todos, e com muita fé, orações, e uma enorme corrente de solidariedade, que a cada dia ganha admiradores, multiplicando-se pela diáspora e mundo afora, acende a chama de muitos a trilharem este caminho sinuoso, repleto de desgostos e espinhos, e uma apatia constante de familiares, amigos e conhecidos, em busca de uma Angola mais justa e igual a todos, de Cabinda ao Cunene, e do Mar ao Leste.


Temos medo?
Sim temos.
Medo de perder os empregos(o pão), regalias e posições auferidas?
Sim temos.
Medo de sofrer perseguições e outros actos de índole negativa?
Sim temos.
Mas somos Angolanos.
Sim, somos Angolanos e o país é nosso, porque se não lidarmos com tais problemas de forma amadurecida, sem fanatismo, ignorância, partidarismo e sim com uma postura e percepção clara, responsável e coerente, quem irá resolver por nós??


Trata-se de contribuir com o pouco que temos e podemos, 
ainda que muitos não estejam engajados de corpo presente e peito descoberto, é por uma questão de humanismo, solidariedade e cidadania, pois a luta é feita de todos ângulos.

Afogar-se num silêncio tumular, sem ao menos tecer três(3) linhas, uma frase de apoio e ver os nossos irmãos padecer, isto sim é covardia.



Ao mô wipy Luas, aguenta firme e come. Hoje, li a carta que escreveste firmando a convicta decisão em ires até as últimas consequências na tua greve de fome, o que é para lá de venerável.
Mas não desperdices o sopro da tua vida dentro desta resoluta visão, em forma de sacrifício aos tiranos e déspotas Angolanos, julgando que altruisticamente estamparás um exemplo e testamento aos demais, em prol desta causa.


Porém, mais do que um exemplo para a posteridade, creio mais na vida para servir de espelho e reflexo, não só aos que te acompanham nesta jornada, mas mais intrinsecamente a tua família, em especial a esposa e filha.


E acredito que todos que acompanham tal desenrolar, compartilham da minha opinião, se a causa que lutamos é pela liberdade, então a liberdade é vida, e vida é liberdade, energia, força de vontade, um amor por se aprender, oração diária e uma luta constante.


Como a minha querida Mãe diz em Kimbundu:
''O ufolo, tubia!...'' A liberdade é fogo!


Aos 15 e a toda gente, vamos prezar pela liberdade, com zelo, prazer, liberdade aos nossos irmãos, liberdade aos nossos direitos, liberdade para educar e construir, liberdade para contribuir, liberdade para transparecer paz, justiça e igualdade, liberdade ao nosso país...

#Liberdade já!!
  

Um comentário:

Pentacúspide disse...

Não se pode calar a verdade, principalmente quando ela alumia mentes e corações de pessoas de força.

Vem tarde aqui a minha solidariedade, Ikono (e todos os outros), mas gostei que tivesses decidido pelo fim da greve da fome, porque vivo tens mais força e vais fazer mais por Angola.

Seria muito falso dizer: "estou contigo", porque não passo pelas provações que estás a passar e é fácil dizer "estou contigo", quando estou em 'liberdade' e tenho uma maior espaço de movimento... não tenho a tua força, mas compreendo a tua vontade e tua luta. Apoio a tua luta, nesse sentido e desta forma tímida: estou contigo. (Falo aqui para ti, porque nunca cheguei a falar com nenhum dos outros e espero que um dia leias estas palavras.